5 coisas que eu quero dizer aos dançarinos: figurinista

Liz Prince trouxe uma paleta de cores unificada para esses trajes para o trabalho de Bill T. Jones  Arnie Zane Dance Company, 'Spent Days Out Yonder'. Foto de Lois Greenfield.

O próximo em Dance Informa’s “5 coisas que eu quero dizer aos dançarinos” Series. Aqui, recebemos conselhos de uma figurinista sobre o processo criativo e como ficar dentro do orçamento. Volte nos próximos meses para obter orientação de outros especialistas!

A figurinista ganhadora do Bessie Award, Liz Prince, pode ser mais conhecida por seu trabalho para a Bill T. Jones / Arnie Zane Dance Company, que ela fantasiou desde 1990. Sua lista completa de créditos, no entanto, é tão longa quanto seu braço, ou até mesmo sua perna. Aqui estão alguns destaques: Doug Varone, Mark Dendy, Jane Comfort, David Dorfman, Ralph Lemon, Baryshnikov / White Oak Dance Project, Boston Ballet, Pilobolus e Trey McIntyre para American Ballet Theatre. Prince também ensina figurino, inclusive no Manhattanville College e na State University of New York em Purchase.

Aqui estão suas dicas para uma relação de trabalho produtiva e inspirada com sua figurinista.



# 1. Ofereça direção.

“As colaborações de maior sucesso com figurinistas começarão com a orientação de você, o coreógrafo”, diz Prince. Pode ser algo simples. Talvez seja o tipo de tecido - leve e esvoaçante, ou pesado e oscilante, por exemplo. Uma ótima maneira de unir todos os elementos visuais de um programa é determinar uma paleta de cores desde o início, diz ela.

Ou não. 'Verificações de Houndstooth!' era o que um coreógrafo queria de Prince - junto com florais e metálicos. “Para equilibrar tudo, foi preciso um pouco de esforço”, lembra Prince, “mas no final funcionou de verdade”.

A figurinista Liz Prince em seu estúdio. Foto de Ken Gabrielson.

A figurinista Liz Prince em seu estúdio. Foto de Ken Gabrielson.

# 2. Ver para compreender.

Imagens visuais - uma fotografia, cartão postal ou pintura, digamos - serão úteis para o seu figurinista. O item pode incluir representações de roupas, mas não precisa, diz Prince. “Pode apenas evocar um estado de espírito ou sugerir uma forma”, acrescenta ela. Para coletar material que dê início a uma conversa, ela sugere visitar galerias de arte e museus.

# 3. Mostra e diz.

Esteja uma dança terminada ou em andamento, assisti-la dirá muito ao seu figurinista, de acordo com Prince. Se a dança tem história, o estilista pode usar a linguagem das roupas para construir os personagens. Essas fantasias podem comunicar status, gênero, idade, época, hora do dia, como os personagens se sentem sobre si mesmos e até mesmo o clima, diz ela.

Para uma dança abstrata, Prince descobre que o designer precisa de diferentes tipos de pistas. O senso de espaço e forma da dança, a iluminação, o cenário e muito mais irão direcionar as escolhas do figurino.

# 4. Inspirações do dia a dia.

Incentive seu figurinista a observar a rua dos dançarinos e as roupas de ensaio. “Isso economiza tempo e dor de cabeça”, diz Prince. “O designer verá as roupas nas quais os dançarinos se sentem melhor, bem como o que eles querem exibir ou cobrir.”

Você também pode fazer com que os dançarinos tragam muitas de suas próprias roupas para um ensaio, enquanto o figurinista compra itens de roupas de baixo orçamento. “Faça com que os dançarinos experimentem coisas em um jogo gratuito para todos”, sugere Prince. Você e seu designer podem decidir sobre os figurinos ali mesmo.

Ou talvez você veja algumas combinações de que goste e peça ao estilista que crie outras para serem costuradas em uma loja de fantasias. Essas lojas estão disponíveis na maioria das cidades. O estilista também pode costurar os figurinos, embora não seja necessariamente o caso, segundo Prince.

“A‘ Quarreling Pair ’de estilo vaudeville de Bill T. Jones / Arnie Zane Dance Company precisava de trajes variados, excêntricos, ridículos e lindos”, diz Liz Prince. Foto de Stephanie Berger.

“A‘ Quarreling Pair ’de estilo vaudeville de Bill T. Jones / Arnie Zane Dance Company precisava de trajes variados, excêntricos, ridículos e lindos”, diz Liz Prince. Foto de Stephanie Berger.

# 5. Tempo e dinheiro.

Como você criará fantasias dependerá muito do seu orçamento. Fazer sob medida é quase sempre mais caro do que comprá-los prontos ou montá-los a partir de itens comprados, diz Prince. O preço dos trajes personalizados varia amplamente, dependendo da complexidade do design, do custo do tecido, do número de dançarinos e de outros fatores.

O tempo é outra questão crítica. “Não sei quantos coreógrafos me chamaram para fantasiar um baile uma ou duas semanas antes da apresentação”, diz Prince. “Dois ou três meses é um prazo mais realista para não apenas consultar e projetar, mas também obter amostras, comprar os tecidos escolhidos, cortar, costurar e encaixar.”

Dito isso, acrescenta Prince, fantasiar uma dança faz parte de um processo criativo que se desenvolve em tempo real. “Já participei de projetos maravilhosos que incluíram alterações até o fim”, diz ela. “Parecia que entramos em casa juntos na noite de estreia.”

Por Stephanie Woodard de Dance informa.

Foto (topo): Liz Prince trouxe uma paleta de cores unificada para esses trajes para o trabalho de Bill T. Jones / Arnie Zane Dance Company, 'Spent Days Out Yonder'. Foto de Lois Greenfield.

Compartilhar isso:

Arnie Zane , Baryshnikov , Bill T. Jones , Bill T. Jones / Companhia de Dança Arnie Zane , Boston Ballet , Figurino , David Dorfman , Doug Varone , Jane Comfort , Príncipe Liz , Manhattanville College e a State University of New York , Mark Dendy , Pilobolus , Limão Ralph , Trey McIntyre para American Ballet Theatre , White Oak Dance Project

Recomendado para você

Recomendado